Economia agroindustrial - UNEMAT

Economia agroindustrial - UNEMAT

Economia agroindustrial Prof. Dr. Aleido Daz Guerra Introduo -Apresentao do professor. -Apresentao da disciplina: .Ementa. .Avaliaes. 07/04, 19/05, 30/06. Prova Final 04/7 .Bibliografia: Biblioteca, Xerox, Professor Inter. .Setores econmicos, Sistemas econmicos.

.Agronegcio. Bibliografia Bsica ARAJO, Massilon J. Fundamentos de Agronegcios. 2a. Ed. So Paulo: Atlas, 2007. NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thom (Org.). Marketing e Estratgia em Agronegcio e Alimentos. So Paulo: Atlas, 2007. ZYLBERSZTAJN, Dcio; NEVES, Marcos Fava (Org.). Economia & gesto dos negcios agroalimentares. So Paulo: Pioneira, 2004.

ZYLBERSZTAJN, Dcio; SCARE, Roberto Fava (Org.). Gesto da qualidade no agribusiness. So Paulo: Pioneira Thomson, 2009. ZUIN, Lus F. S.; QUEIRZ, Timteo R.. Agronegcio: Gesto e Inovao. So Paulo: Saraiva, 2010. Bibliografia complementar

BATALHA, Mrio Otvio (Org.). Gesto Agroindustrial. Vol. I e II, 2a Ed., So Paulo: Atlas, 2007. BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social. Agroindstria: fuses e aquisies no setor de alimentos. Informe setorial NO 15, Abr/1999. CALDAS, R. de A. et alii (edits.) Agronegcio brasileiro; cincia, tecnologia e competitividade. Braslia: CNPq, 1998. CASIMIRO FILHO, F.; SHIKIDA, P. F. A. (orgs). Agronegcio e desenvolvimento regional. Cascavel: Edunioeste, 1999.

FARINA, Elizabeth M. Mercier. Estudos de caso agribusiness. So Paulo: Thomson Pioneira, 2000. FURTADO, R. Agribusiness brasileiro: a histria. So Paulo: Abag, 2002. HADDAD, P .R. (org.) A competitividade do agronegcio e o desenvolvimento regional no Brasil: estudos de clusters. Braslia: CNPq-Embrapa, 1999. IGLIORI, Danilo Camargo. Economia dos clusters industriais e desenvolvimento. So Paulo: Iglu, 2001. MACHADO FILHO, C. A. P. et al. Agribusiness Europeu. So Paulo: Pioneira, 1996. MENDES, Judas T. G.; PADILHA Jr., Joo B.. Agronegcio: Uma abordagem econmica. Sao Paulo: Perason, 2007. MORAES, Mrcia Azanha F. Dias de; SHIKIDA, Pery F. Assis. Agroindstria canavieira no Brasil. So Paulo: Atlas, 2002. NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thom (Org.). Marketing e Estratgia em Agronegcio e Alimentos. So Paulo: Atlas, 2007. NEVES, Marcos Fava (Coord.). Agronegcios & Desenvolvimento sustentvel. So Paulo: Atlas, 2007. NEVES, Marcos Fava (Org.) et al. Gesto dos negcios em alimentos. ZYLBERSZTAJN, Dcio; NEVES, Marcos Fava (Org.). Economia & gesto dos negcios agroalimentares. So Paulo: Pioneira, 2002.

SEPLAN SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DE MATO GROSSO: Anurio estatstico de Mato Grosso 2008. Vol. 28. Disponvel em: http://www.seplan.mt.gov.br SILVEIRA, Jos Maria F.J; OLALDE, Alicia Ruiz. Agroindstria, indstria de alimentos e suas transformaes recentes. So Paulo em Perspectiva, 7 (3), Jul./Set, p. 30-38, 1993. VIEIRA, R. de C. M. T.; TEIXEIRA FILHO, A. R.; OLIVEIRA, A. J. de; LOPES, M. R. Cadeias produtivas no Brasil: anlise da competitividade, Braslia : EMBRAPA, 2001. ZYLBERSZTAJN, Dcio; SCARE, Roberto Fava (Org.). Gesto da qualidade no agribusiness. So Paulo: Pioneira Thomson, 2009. ZUIN, Lus F. S.; QUEIRZ, Timteo R.. Agronegcio: Gesto e Inovao. So Paulo: Saraiva, 2010. WESZ Jr., Valdemar Joo. Dinmicas e estratgias das agroindstrias de soja no Brasil. Rio de Janeiro: E-papers, 2011. Ementa

-Distines e definies: .agrrio, agrcola, agronegcio, agroindstria e agro alimentar. - Gerenciamento de Sistemas Agroindustriais. Sntese dos segmentos a montante das atividades agroindustriais. -O Segmento Agroindustrial. -Os Segmentos a jusante das atividades agroindustriais. -Formas de coordenao e organizao agroindustriais. -Formas de concorrncia e competitividade agroindustriais. -Gesto de agronegcios. -Dados e indicadores do agronegcio. -Perspectivas e estratgias para o agronegcio brasileiro e matogrossense

Agronegcio A Agroindstria -A agroindstria o conjunto de atividades relacionadas transformao de matriasprimas provenientes da agricultura, pecuria, aqicultura, pesca e silvicultura. .O grau de transformao varia amplamente em funo dos objetivos das empresas agroindustriais. .Para cada uma dessas matrias-primas, a agroindstria um segmento da cadeia que vai desde

o fornecimento de insumos agrcolas at o consumidor. A Agroindstria. Cont -Em comparao a outros segmentos a agroindstria apresenta uma certa originalidade decorrente de trs caractersticas fundamentais: .Matrias-prima. .Sazonalidade. .Produtos altamente Perecveis.

.Heterogeneidade. Sistema agroindustrial . Introduo: .Alguns elementos de teoria de sistema. .Conceito. .Elementos: .Localizao. .Funo. .Estrutura. .Desenvolvimento.

.Objetivos .A formao da agroindstria: .Agricultura .Agronegcio. .Industria. .Complexo agroindustrial. .Agroindstria. .Alguns elementos de teoria de sistema -Um sistema (do grego sietemiun), um

conjunto de elementos interconectados, de modo a formar um todo organizado. uma definio que acontece em vrias disciplinas, como biologia,medicina, informtica, administra o. Vindo do grego o termo "sistema" significa "combinar", "ajustar", "formar um conjunto". .Todo sistema possui um objetivo geral a ser atingido. O sistema . um conjunto de

rgos funcionais, componentes, entidades, partes ou elementos e as relaes entre eles, a integrao entre esses componentes pode se dar por fluxo de informaes, fluxo de matria, fluxo de sangue, fluxo de energia, enfim, ocorre comunicao entre os rgos componentes de um sistema. .A boa integrao dos elementos componentes do sistema chamada sinergia, determinando que as transformaes ocorridas em uma das partes influenciar todas as outras.

A sinergia do sistema A alta sinergia de um sistema faz com que seja possvel a este cumprir sua finalidade e atingir seu objetivo geral com eficincia; por outro lado se houver falta de sinergia, pode implicar em mau funcionamento do sistema, vindo a causar inclusive falha completa, morte, falncia, pane, queda do sistema etc. A propriedade da homeostase, Vrios sistemas possuem a propriedade

da homeostase, que em poucas palavras a caracterstica de manter o meio interno estvel, mesmo diante de mudanas no meio externo. As reaes homeostticas podem ser boas ou ms, dependendo se a mudana foi inesperada ou planejada. Abstrair aspectos de sistemas .Pode-se construir modelos para abstrair aspectos de sistemas, como por exemplo um modelo matemtico, modelos de engenharia de software, grficos.

.Em termos gerais, sistemas podem ser vistos de duas maneiras: a)atravs da anlise, em que se estuda cada parte de um sistema separadamente a fim de recomp-lo posteriormente. b)atravs de uma viso holistica, em que se entende que o funcionamento do sistema como um todo, constitui um fenmeno nico, i.e., irredutvel em suas partes. Sistema agroindustrial. Cont.

Sistema agroindustrial Sistema agroindustrial. Cont. Sistema agroindustrial. Cont. . Viso sistmica e mesoanlise. .Conceitos: .Sistmica, de sistema, j explicado na introduo de teoria de sistema. .Mesoanlise: a anlise estrutural e funcional dos subsistemas

e de sua interdependncia dentro de um sistema integral. .Microeconomia. .Macroeconomia. .Agroindstria. Sistema agroindustrial. Cont. . Enfoque sistmico da produo agroindustrial: .Verticalidade: Influencia de um elemento do sistema sobre os outros. .Orientao pela demanda:

A demanda e a que gera todo o fluxo de produtos e servios. .Coordenao dentro do sistema: Elemento fundamental para o sucesso do sistema. .Competio entre sistemas: um elemento de desenvolvimento do sistema. .Alavancagem: Busca identificar pontos chaves para melhorar a eficincia de um grande nmero de participantes de uma vez. Gerenciamento de sistemas agroindustriais

.Conceito: .Conjunto de elementos da gesto dos SAI: Sistema agroindustrial de produo .Especificidades e/ou Particularidades a ser consideradas em seu gerenciamento: . Sazonalidade da matria-prima. . Variaes da qualidade das matrias-primas. . Perecibilidade das matrias-primas. . Sazonalidade do consumo.

. Perecibilidade do produto final. . Condies biolgicas dos produtos. .Os gostos da populao. .As exigncias sanitrias e de qualidade dos produtos. . Influencia da biotecnologia. . Influencia da tecnologia da informao Surgimento do termo Cadeia de Produo Agroindustrial CPA Surgimento do termo (CPA).Cont.

Surgimento do termo (CPA). Cont. . Introduo. .Agribusiness. .Commodity sistem approach: .Matriz insumo-produto . .Estrutura Conduta - Desempenho .Anlise de filires: Algumas definies de CAP a ser consideradas: .A cadeia de produo uma sucesso de operaes e transformaes dessociveis , capazes de ser separadas e ligadas entre si por um encadeamento tcnico.

.A cadeia de produo tambm um conjunto de relaes comercias e financeiras que estabelecem, entre todos os estados de transformao, um fluxo de troca, situados de montante a jusante, entre fornecedores e clientes. .A cadeia de produo um conjunto de aes econmicas que presidem a valorao dos meios de produo e asseguram a articulao das operaes Cadeia de Produo Agroindustrial CPA . Definio: A cadeia de produo agroindustrial a soma de todas as operaes de produo e

comercializao que foram necessrias para passar de uma ou varias matrias-primas de base um ou vrios produtos finais, e de sua chegada aos consumidores finais, sejam eles pessoas fsicas e/ou jurdica. Esquema geral de uma CPA Esquema geral de uma CPA Exemplo de uma CPA

Caractersticas do sistema cadeia produtiva . Esta localizada em um determinado meio ambiente e interage com ele . Cumpre uma funo ou exerce uma atividade. . Esta dotada de uma estrutura. . Tem objetivos definidos. . Evolui no tempo e no espao. Fatores que propiciam os contornos

do sistema CPA . Polticos. . Econmicos. . Financeiros. . Tecnolgicos. . Socioculturais. . Jurdicos. Aplicaes do conceito CPA . Ferramenta de diviso setorial dos setores produtivos.

. Formulao e anlise de polticas pblicas e privadas. . Ferramenta de descrio Tcnico-econmica. . Metodologia de anlise das estratgias das firmas. . Ferramenta de anlise das inovaes tecnolgicas. . Apoio a tomada de decises tecnolgicas. Principais fatores de anlise das CPA . Tecnologia.

. Mercados. . Produtos. Alianas estratgicas nas CPA . Conceito: .Podem ser vistas como empreendimentos de riscos, que inclui fuses e aquisies para o controle total de uma cadeia at empreendimentos cooperativos informais. .No primeiro caso existiria uma alta interdependncia (integrao vertical).

.No segundo caso ser uma interdependncia muito baixa( integrao horizontal). Condies para o sucesso das alianas estratgia . Estabelecer acordos do tipo ganha-ganha em detrimento dos de tipo ganha-perde. . Definir que assume o papel de agente coordenador. . Definir os benefcios para os envolvidos. . Fixar os esforos em recursos humanos, financeiros, de informtica, entre outros, que cada participante deve

assumir. . Verificar a existncia de semelhanas culturais entre os participantes. . Verificar a no existncia de incompatibilidades estratgicas. . Definir os objetivos de cada participante. Elementos do Planejamento estratgico . Introduo. .Elementos do planejamento estratgico das Alianas estratgicas.

Redes de empresas . Conceito: . Premissas bsicas: . Todas as organizaes esto ligadas a um conjunto importante de relaes sociais. . O ambiente de uma organizao pode ser vista como uma rede de outras organizaes. . As aes dos atores das organizaes podem ser melhor explicadas por suas relaes dentro da rede. . As redes condicionam e so condicionadas pelas aes de

seus integrantes. . As analises comparativas das organizaes devem considerar as caractersticas das redes nas quais elas esto inseridas Mecanismos para a criao de redes Mecanismos para a criao de redes Comercializao agroindustrial

Mercado . Conceitos bsicos: .O relacionamento que se estabelece entre compradores e vendedores que esto em contacto, ta traves do preo e perto que suas relaes afetam as compras e vendas dos demais. .O ato mais importante, que em termos de relaes saciais, se desenvolve na sociedade, facilitando a maior parte da satisfao das necessidades dos seres humanos. .Principais elementos: .Consumidor .Mercadorias. .Commodities.

.Produtos. .Principais indicadores: .Demanda. .Oferta. .Preos. .Tipos de Concorrncia. .Concorrncia perfeita. .Concorrncia imperfeita. .Particularidade dos produtos agroindstrias. .Para a demanda. .Para a oferta.

Surgimento dos mercados Necessidades da sociedade. Excedentes. Vias de comunicao.

As guerras Forma do crescimento e desenvolvimento dos pases Principais formas de mercados

Feiras. Lojas. Bolsas. On line. Pessoa a pessoa. Tipos de mercados . Por seu alcance: .Mercado local. .Mercado regional. . Mercado nacional.

.Mercado mundial. . Pelo tipo de troca: .Troca de produtos. .Bens de consumo. . Mercadoria. . Commodities. .Mercado de trabalho. .Mercado monetrio. Outros tipos de mercados

Mercado de futuro. ( Ver slide de mercado de futuro). Mercado a termo. ( Ver slide de mercado a termo) Mercado spot. ( Ver slide de mercado spot) Outros tipos de mercado: .Mercado aberto: Moedas e ttulos controlados pelos Bancos centrais. .Mercado cativo: Atendido por um grupo de pequenas empresas.

.Mercado comprador: Quando predomina a demanda sobre a oferta nas bolsas de mercadoria ou valores. .Mercado vendedor: Quando predomina a oferta sobre a demanda nas bolsas de mercadoria ou valores. .Mercado comum centro americano: Auspiciado pela CEPAL em 1960, integrando por Costa Rica, Honduras, Salvador e Nicargua. .Mercado comum europeu: Formado por a maioria dos pases europeus, com carter supra. nacional .Mercado balco: Venda de ttulos e ativos sem registro na bolsa .Mercado de euro moedas. Mercado internacional das moedas dos principiais pases. Evoluiu a partir do mercado de eurodlares.

.Tratado de livre comercio: TLC. Formado por EE.UU, Canad e Mxico. Outros tipos de mercados.Cont. Mercados de opes de ndice: Contratos liquidados em moedas sem entrega fsica do produto. Mercado de opes: Negociaes de direito de um contrato de futuro. Mercados de ouro em barras: Compra e venda de ouro em barras com pureza de 99,99%. Mercado estreito: Vendas e compras de ttulos com pequeno volumem de transaes.

Mercado financeiro: unio dos mercados de capitais e monetrios. Mercado firme: Vendas e compras de valores mobilirios, ttulos aes. Mercado fracionrio: Vendas e compras de lotes fracionados de aes, geralmente grupos de cem ou mil. Outros tipos de mercados. Cont. Mercado largo: Mercado de ttulos com grande volumem de transaes

Mercado imobilirio:Compra e venda de imveis. Mercado mobilirio: Mercado de aes,papeis e ttulos em geral Mercado negro: Compra e venda de bens e servios feito de forma ilegal Mercado paralelo: Compra e venda de ttulos regulamentadas pelos governos dentro de certos limites. Mercado primrio: Emprstimos direitos a um devedor, venda de ttulos em leilo, lugar onde se oferecem novos contratos de futuro e de aes Mercado secundrio: Transaes feitas nas bolsas de valores de ttulos e aes que vem do mercado primrio

Mercado de trabalho: Compra e venda de mo-de-obra. Mercado: Compra e venda de mercadoria, valores e moedas, sem tabelamento Mercado de futuro . Caractersticas gerais: .Objeto compra e venda de contratos de commodities. .Objetivo evitar riscos na flutuao dos preos.(hedging). .Especificaes simples, mais rgidas de: .Perodo de entrega. .Lugar da entrega.

.Objeto transacionado. .Geralmente no se produz entrega fsica. .Preos: .Se estabelece para cada regio a partir de uma base, dada por a relao com o mercado spot Preo Mf. Preo Ms. Base = ------------------------------Preo Ms. Preo Mf Mercado futuro. Cont. . Mercado de futuro no Brasil: .Primeira experincia em 1917, com a bolsa de mercadoria de So

Paulo. .Segunda experincia em 1983, com a bolsa Brasileira de futuro de Rio. .Terceira experincia em 1985, com bolsa de mercadoria de futuro de So Paulo. .Quarta experincia em 1997, a bolsa Brasileira de futuro incorporada a bolsa de mercadoria e futuro. .Movimento de grande volumem de mercadoria. .A participao dos commodities agrcolas ainda pequena,mais superior aos agroindustriais. .Alguns empresrios Brasileiros preferem utilizar as bolsas

americanas. Mercado a termo .Conceito: .Contrato de entrega futura de uma mercadoria que ainda no existe. .Geralmente uma compra antecipada pela agroindstria ou corretoras. .Vantagens: .Para o produtor que evita variaes dos preos na hora da venda e facilitar o financiamento da lavoura. .Desvantagens: .Relaes espordica entre produtor e vendedor.

.Inadimplncia dos produtores. .Quebra de safra. .Facilita atitudes oportunistas dos produtores. .Facilita que alguns compradores paguem preos mais baixos. .Alternativas para evitar a quebra de contratos a termo: .Fixar os preos quando a lavoura esta garantida ou amadurecendo. .Contratos prvios de depsitos para garantir a entrega( fiel depositrio), com penalidades jurdicas fortes. .Cdula de produto rural avaliado por uma instituto financeira. Contratos de longo prazo

.Conceito: .Facilita a comercializao de produtos, no commodities. .Caractersticas da transao: .Incerteza. .Freqncia. .Estrutura de informao. .Especificidade dos ativos necessrios. .Contratos de longo prazo mais importantes: .Franquias: .Ganhos de escala de tecnologia e de marketing. .Facilitao de capital para ampliao da produo.

.Reduo de problemas de custos relacionados com: .Monitoramento. .Comercializao. .Administrao em geral. .Joint-ventures. (unio de risco). .Associaes de capital pra desenvolver uma atividade especfica. .Principais motivaes: .Falta de: capital, Mercado, rede de distribuio, Marca reconhecida Mercado spot . Conceito.

.Mais antigo,mais utilizado, o tipo de mercado que mais favorece as relaes entre as pessoas. . Caractersticas: .Compra e venda no momento. .No se estabelece compromisso de longo prazo entre comprador e vendedor. .Pode acontecer por acaso. .No garante estabilidade nos suprimentos. .Muita variabilidade dos preos. .Muita variabilidade da qualidade das mercadorias.

Logstica agroindustrial Surgimento da logstica .Lgica: .Do termo grego logik ( cincia do raciocnio coerente, prtica do bom senso). .Tipos de lgica: .Lgica clssica: Conjunto de estudos que visam a determinao dos processos intelectuais, condio geral do conhecimento. .Lgica material:

Estuda a relao entre as formas e leis do pensamento. .Lgica dialtica: Estuda as contradies e coerncias do raciocnio. Logstica agroindustrial. .Conceito: A parte e aplicao da lgica que estuda o planejamento e controle das atividades de armazenagem transportao, distribuio, aquisio, instalao e operacionalizao dos sistemas agroindustriais com eficcia e eficincia.

.Como estudar a logstica: Como a gesto coordenada dos fluxos de bens, servios e informaes relacionada, entre os centros produtores, distribuidores e de consumo, com o intuito de satisfazer o cliente. Custos logstico. .Conceito: A expresso monetria dos gastos incorrido no aperfeioamento das atividades de planejamento, desenvolvimento execuo e

controle de todas as atividades desenvolvidas nos diferentes sistemas agroindustriais, desde uma matria-prima de base ate a entrega ao consumidor Metas estratgicas da logstica agroindustrial .Misso: Definio de um plano de longo prazo que precise o comprometimento dos recursos financeiros e humanos para o desenvolvimento das operaes de suprimento de apoio a produo e distribuio fsica.

.Metas logsticas: Melhorar, na movimentao e armazenamento de materiais e produtos, pela integrao das operaes necessrias entre as reas de suprimento, produo e distribuio fsica e de informao. .Objetivo tpico da logstica minimizar os custos logsticos para fornecer um bom servio ao cliente especificando como: .Formular polticas pblicas e privadas para criar instalaes e sistemas de gesto eficiente. .Definir metas de desempenho ao menor custo total. .Orientar a integrao das cadeias de suprimentos. .Facilitar a a definio de estratgias empresarias . .Apoiar a soluo de problemas operacionais.

A gesto logstica agroindustrial, pretende. . A diminuio do tempo do ciclo entre contas a pagar e contas a receber. . O aumento sistemtico da produtividade dos ativos. . A viabilizao do giro dos estoques. . A reduo do ciclo de suprimentos. . A diminuio do ciclo de pedidos. . A otimizao do uso do transporte. . A otimizao do uso dos estoques.

Os processos de deciso logstica -Os processos de deciso logstica passam por: . Determinao dos custos totais referenciados ao desempenho do servio logstico. . Balanceamento (trade off), como mtodo para procurar o menor custo total. (Grfico 4.10) . Agrupamento funcional como mtodo para o tratamento dos custos logsticos.(estoque transportao). (Grfico 4.11) .

. O ciclo de vida do produto: .Crescimento, saturao, Maturidade, Obsolescncia e declnio. Balanceamento trade off.(Grfico 4.10) Agrupamento funcional Grfico 4.11 Sistema logstico das cadeias de suprimentos

. Retomar o conceito de sistema. . Cadeia de suprimento ( supply chaig): um sistema logstico complexo, onde matrias-primas so convertidas em produtos intermedirios e finais aos quais se agrega valor at serem distribudos para os usurios finais sejam eles ( empresas ou pessoas). Grfico 4.5 Cadeia de suprimento ( supply chaig) Grfico 4.5

Estrutura de gesto das cadeias de suprimento Sistema logstico. Cont. .Conceito: Cuida da movimentao, de forma eficaz e eficiente, dos produtos entre as diferentes reas que integram as cadeias de suprimento, procurando, fundamentalmente, resolver: .Problemas de tempo. .Problemas de espao.

.Problemas de custo. .Problemas de comunicao. .Problemas de transporte. .Problemas de insumo, matrias-primas e produtos, sejam eles mercadorias e/ou commodities. Objetivos do sistema logstico de cadeias de suprimentos Nas cadeias de suprimento os objetivos do sistema logstico, tem como finalidade: .Evitar o abarrotamento de insumo, matriasprima e produtos nas diferente reas da cadeia.

.Diminuir os custos do sistema. .Garantir os suprimento necessrio, no tempo, no lugar, na quantidade e qualidade adequada. .Garantir os estoques mnimos necessrios de acordo com as normas estabelecidas procurando o maior tempo de vida til dos mesmos. Ciclo de vida do produto Gerenciamento do sistema logstico .Conceito:

O gerenciamento logstico implica, na pratica, as decises relacionadas com a fluxo de produtos e de informaes, classificadas em trs nveis: .Nvel estratgico: Planejamento de longo prazo ( vrios anos), que envolve decises de: .Aquisio de recursos no longo prazo. .Definir o nvel de servio a ser oferecido. .Nmero, tamanho e local das instalaes a ser utilizadas. .Seleo dos modais de transporte a ser utilizados. .Definir o mix de produtos em cada ponto do estocagem.

.Definir as polticas de estoque de cada depsito. .Definir os procedimentos de realizao dos pedidos. Gerenciamento . Cont. -Nvel ttico: .Planejamento de mdio prazo ( meses a um ano), onde as decises logstica so tomadas com base em intervalos intermedirios, de acordo com as decises estratgicas determinadas anteriormente, envolvendo decises de : .Determinao da rea de ateno de cada cliente e/ou produto. .Seleo dos fornecedores.

.Determinao das regras de prioridades e estoques de segurana. .Dispor das informaes bsicas necessrias de custos, demanda e capacidade para um determinado perodo de tempo. Gerenciamento. Cont. -Operacional: .Planejamento de curto prazo (horas, dias, semanas), de acordo com as necessidades. .So desenvolvidas atividades do tipo: .Carregar caminhes. .Colocar de cada produto em cada armazm..

.Definir a rota de menor custo para a entrega de um pedido. (Grfico resumo) Nvel de hierrquico das decises logsticas Tendncias na logstica .Conceito: As principais tendncias na atividade logstica passam necessariamente pelo nvel de desenvolvimento da cincia e a tecnologia, que impem mudana para garantir o sucesso nas condies criada por: . A globalizao:

.As novas tecnologias das informao. .O comercio eletrnico. .Como resultados da procura por : .Menores custos de processamento de pedidos. .Mo-de-obra barata. .Matria-prima barata .Pelo tanto os sistemas logsticos ficam cada vez mais abrangentes, complexos e custosos como resultados de: .Utilizao cada vez maior do sistemas intermodais de transporte e contineres. .Complexos sistemas de informao, intercambio eletrnico de dados. .Sistema de informao geogrfica.

.Sistema de posicionamento global. .Sistema de computadores de bordo nos veculos. Principais diferencias entre logstica tradicional e e-logistics (logstica eletrnica) Atividades chaves e de apoio da logstica .Atividades chaves: .Servio ao cliente.

.Processamento de pedidos (do cliente). .Estocagem. .Transporte. .Atividades de apoio: .Armazenagem. .Manuseio de materiais. .Compras. .Embalagem. .Programao da produo. .Gesto de informaes.

Interfase da logstica com a produo e marketing. .Determinar em uma empresa as atividades de produo, logstica e marketing as vezes no to fcil pois existem dificuldades em definir algumas que ficam numa interface: .Figura 4.13 . Interfaces entre produo, logstica e marketing

Servio ao cliente .O cliente o foco da ateno dos servios logsticos, por isso o nvel da estratgia dele deve estar voltado preferencialmente, para: .Elementos de pr-transao. .Elementos de transao. .Elementos de ps-transao. Elementos utilizados para medir o servio prestado ao cliente

.Tempo transcorrido entre o pedido e a entrega. .Porcentagem de itens faltantes. .Porcentagem dos itens que chegam ao cliente. .Tempo de chegada dos pedidos. .Facilidade do cliente par pedir e reclamar. .Tempo de resposta as solicitaes dos clientes. Relao vendas e nvel de servio Lucros do servio logstico

Processamento de pedidos .O processamento de pedidos o conjunto de atividades que so desenvolvidas a partir do primeiro conato do cliente at a resposta do cliente sobre o produto. .Alguns elementos a considerar: .Preparao e transmisso do pedido. .Entrada do pedido. .Preenchimento do pedido. .Controle sobre o estado do pedido. .Entrega do pedido. .Informaes de retorno do cliente.

Principais atividades logsticas nas empresas Logstica do transporte .A principal funo da logstica do transporte procurar a agregao de lugar do produto, j que geralmente os produtos no so consumidos onde so produzidos, por isso o sistema de transporte pode produzir grandes impactos nos custos logsticos.

.No Brasil os custos de transporte podem chegar at 60% dos custos logsticos como media Participao do transporte no PIB Principais modais e custos de transporte Tempo e distncia dos modais de transporte

Principais atividade da logstica do transporte As tcnicas de pesquisa operacional conseguem apoiar a tomada de decises nas principais atividades logsticas relacionadas com o transporte, entre elas problemas de: .Tarifas de transporte: .Distancia. .Tipo de carga. .Condies das vias. .Modelos e mtodos quantitativos para: .Na longa distancia:

.Composio da frota ou modais a ser utilizados. .Atribuio do fluxo (trafego) no longa da rede. .Consolidao e despacho de carga. .Projetos e operacionalizao de terminas de carga. .Na curta distancia: .Roterizao e programao de veculos para : .Frotas homogneas e heterogneas . .Depsitos mltiplos. .Coleta e entrega na mesma rota. Logstica de estoques

.A gesto de estocagem, conhecida tambm como transporte zero km/h, ocorre nos ns da rede logstica, agregando valor de tempo ao produto, por osso importante entre outras coisas: .Coordenar suprimentos e demanda. .Reduzir custos de produo e transporte. .Apoiar a funo do marketing Tipos de estoque e funo do sistema .Tipos:

.Estoque cclicos. .Estoques de segurana. .Estoques em transito. .Estoque para especulao e sazonal. .Funes do sistema: .manuteno de estoques. .Consolidao de carga. .Quebra de volumem de carga. .Combinaes de consolidao e quebra de carga. .Operaes de manuseio.

Custos de manuteno de estoques Entre os principais custos de manuteno de estoques so estudados: .Custos de capital. .Custos de obsolescncia. .Custos de armazenagem. .Custos de falta de estoques. .Custos diversos.

Recently Viewed Presentations

  • Vibration Monitoring and Machine Protection Systems 1010 E.

    Vibration Monitoring and Machine Protection Systems 1010 E.

    The measurement is made with an Eddy Current Probe, mounted in a vertical direction, directly viewing the rod. The preferred installation would have a probe bracket adapted to the packing gland plate, mounted internal to the distance piece. ... Typical...
  • بسم الله الرحمن الرحيم

    بسم الله الرحمن الرحيم

    Anatomy of the rectum. Length ranges from 12-15 cm (Figure 1). It is divided to upper, middle ,and lower thirds. Rectum begins at recto-sigmiod junction opposite S3 vertebrae (buttom of sacroiliac joint), ends at anorectal ring 1 inch below coccyx...
  • KnowItAll Oren Etzioni, Stephen Soderland , Daniel Weld

    KnowItAll Oren Etzioni, Stephen Soderland , Daniel Weld

    KnowItAll Oren Etzioni, Stephen Soderland , Daniel Weld Michele Banko, Alex Beynenson, Jeff Bigham, Michael Cafarella, Doug Downey, Dave Ko, Stanley Kok, Jim Li, Mike ...
  • INFORMATION LITERACY - Kean University

    INFORMATION LITERACY - Kean University

    ALASL and AECT (1996) Information Literacy Skills MUST be integrated with the CURRICULUM. . Kuhlthau's work pointed the way to the integration of information literacy with curriculum, and predict current development of the concept of the information literacy where the...
  • Standard Market Design: The Foundation for Competitive ...

    Standard Market Design: The Foundation for Competitive ...

    Continuing Progress of LNG Terminals in the Gulf Coast Region Item No. C- 7 June 15, 2005 Item No. C- 7 - Terminal Vista del Sol LNG Section 3 Authorization Marine Terminal Three Storage Tanks 1.1 Bcf/day of Vaporization and...
  • West Chester University's "Threecycle Program"

    West Chester University's "Threecycle Program"

    Costs associated with dispensing equipment and additional vehicle costs associated with CNG are funded in part by grants available from governmental agencies. WCU Fuel Consumption WCU's use of Gasoline and Diesel fuels has been offset by the increased use of...
  • Finding Large Sticks and Potatoes in Polygons

    Finding Large Sticks and Potatoes in Polygons

    Longest Anchored stick is at least ½ the length of the longest stick. Step 2: Compute weak visibility region m from anchor edge (diagonal) e. time :O(n)87' Step 3: Compute the longest length from the e to m. time:O(1) There...
  • Financial Structure

    Financial Structure

    Financial Structure Chapter 35 Initial Financing 1. Debt Securities (bonds) Debtor/Creditor relationship 2. Equity Securities (stock) Shareholders ownership interest Debt Financing Short Term Securing short term bank credit Assigning Accounts Receivable Issuing short term promissory notes Long Term Sale of...