Lesson 7: The OSI and 802 Networking Models

Lesson 7: The OSI and 802 Networking Models

Internet: Uma Viso Geral Wagner Meira Jr. e-Commerce, Systems Performance Evaluation, and Experimental Development Laboratory Organizao e-speed

Introduo Histrico Atualidade Servios Internet Aspectos histricos Introduo e-speed Uma rede de computadores composta de Computadores ligaes entre eles

Computadores especializados Protocolos (Software que realizam os servios da rede, geralmente invisveis para o usurio final) ARPANET e-speed Idia inicial de uma rede de computadores (1962) Advanced Research Projects Agency - ARPA Objetivo:

rede que permitisse o trabalho cooperativo em grupos mesmo que geograficamente distantes compartilhamento de recursos escassos e-speed ARPANET (II) Modelo de Paul Baran: comunicao digital via comutao de pacotes Idia: No permitir a interrupo da comunicao devido a avarias locais Internet herdou esta propriedade Primeiro experimento:

Quatro universidades em janeiro de 1970: UCLA, STANFORD, Universidade da Califrnia (Sta. Brbara) e Univ. de Utah Comunidade acadmica e militar e-speed ARPANET (III) Rede se expandiu rapidamente: variadas plataformas de software e hardware mostraram que a comunicao e cooperao entre sistemas possvel Janeiro de 1971: 13 computadores Abril de 1972: 23 computadores

Janeiro de 1973: 38 computadores Linhas dedicadas de 56Kbps Interface Message Processor (IMP): computadores comercialmente disponveis CSNET e-speed Motivados pelo sucesso da ARPANET Rede que interligou todos os Departamentos de Computao dos EUA (1979) Aproveitamento da experincia e do

software existente na ARPANET. Objetivo bsico da experincia: comunicao entre as duas redes Financiado pelo NSF CSNET (II) e-speed Primeira rede heterognea Experimento realizado pelos grupos de pesquisa que poderiam propor e implementar os novos servios como diretrio nico de pessoas

Grau de adeso de toda a comunidade e-speed USENET Baseada numa arquitetura muito simples, no necessitava de comutao de pacotes Voltada para servios de correio eletrnico e transferncia de arquivos Estabelecimento de um novo servio: o NEWS Baseado no programa uucp (Unix to Unix Copy) que vinha includo em todos os sistemas UNIX

Nascimento da Internet e-speed Implementao de toda a pilha do protocolo TCP/IP da ARPANET, na verso do UNIX escrito em Berkeley - BSD Verso distribuda gratuitamente para universidades para arquitetura VAX da DIGITAL Estabelecimento do TCP/IP como padro de fato.

e-speed Nascimento da Internet Surgimento da empresa SUN que aproveitou projetos da Stanford University Network Sun popularizou o Unix verso BSD e facilitou a utilizao de redes locais baseadas em TCP/IP Surgimento da empresa CISCO, tambm por pessoas sadas da Universidade de Stanford Misso da CISCO: fabricao de elementos ativos para a rede Internet Nascimento da Internet

e-speed Surgem os roteadores que viriam a substituir os IMPs Hardware especializado para o TCP/IP traz duas consequncias importantes aumenta a eficincia fabricao em larga escala barateia os equipamentos e-speed Proliferao de Redes

Anos intermedirios da dcada de 80: DECNET,VNET,BITNET,HEPNET,JANET,JUNET, EARN,NETNORTH,FidoNET, etc... Cada rede com seus servios particulares ARPANET comea a mostrar sinais de fadiga devido a baixa velocidade de linhas (56Kbps) Criao da NSFNET com um backbone de 1.5Mbps com utilizao restrita (sem fins lucrativos) e-speed Internet

Consolidao do padro TCP/IP facilitou a interligao de vrias redes independentes A megarede resultante chamou-se de Internet No existe ainda nenhum rgo regulamentador Manuteno da unidade da rede devido ao TCP/IP e ao mecanismo de definio de normas (RFC) Internet (II) e-speed

Ampla disponibilidade de hardware TCP/IP relativamente barato aliado a ampla disponibilidade de software TCP/IP praticamente gratuito levam a utilizao deste protocolo mesmo em redes corporativas Estas redes vm sendo chamadas de Intranets desde o incio de 1996 e-speed Internet (III) A NSF percebeu que a rede escapava de seus propsitos originais e sua capacidade

de investimento e anunciou em 1994 sua retirada em 1995 acabando com a restrio ao trfego comercial A resposta da comunidade empresarial foi imediata, explosiva e surpreendente O uso da rede continua aumentando em ritmo exponencial Nascimento do World Wide Web - WWW e-speed At o surgimento do WWW (1994) os

principais servios da Internet eram: correio eletrnico servio de news login remoto transferncia de arquivos Crescimento nunca antes observado incorporando todos os servios existentes at ento e-speed Nascimento da WWW Utilizao de paradigmas:

hipertextos multimdia arquitetura cliente/servidor comunicao segura interface agradvel e ldica, fcil de ser aprendida e usada facilidade de disponibilizao de informaes

Visor (Browser) disponvel praticamente em qualquer plataforma sendo uma interface universal. Busca de Informaes e-speed Dezembro de 1995: surgimento do sistema de indexao AltaVista Memoriza endereos e contedos pela visitao peridica de todas as pginas atingveis por um rob e realiza uma indexao eficiente do material

A partir dos dados possvel consultar pginas de acordo com assuntos e-speed Internet no Mundo http://www.isoc.org/infosvc/map.gif A Internet no Brasil e-speed

RNP - Rede Nacional de Pesquisa Iniciativa do MCT Extenso da Internet no Brasil Lanada oficialmente em 1990 Rede Acadmica e de Pesquisa (at 1995) RNP - Histrico

e-speed Iniciativas regionais: 1988 (setembro) - primeira linha BITNET entre LNCC (Rio de Janeiro) e U. Maryland (EUA) 1988 (outubro) - primeira rede BITNET cooperante (ANSP); segunda linha BITNET entre FAPESP (So Paulo) e Fermilab (EUA) 1989 (maio) - terceira linha BITNET entre UFRJ (Rio de Janeiro) e UCLA (EUA) RNP - Histrico e-speed

Acessos diretos redes internacionais: BITNET (desde 1988); HEPnet - High Energy Physics Network (desde 1991); Internet (desde fevereiro de 1991). e-speed Internet/BR - Diretrizes Aberto para qualquer interessado Papel prioritrio - iniciativa privada Alocao de endereos IP e registro de domnios - RNP

Backbones nvel 1 - Pontos de Interconexo de Redes -PIR (RJ, SP e BSB) Padres de Engenharia de Redes - IETF Concessionrias - apenas meio fisico Comit Gestor Internet/BR - Estratgia e-speed Cobertura Nacional e ampla capilaridade Ligaes Internacionais a 2 Mbps Backbone nacional de alta velocidade:

10 Linhas de 2 Mbps 19 Linhas <= 256 Kbps Operao continuada de alocaco de numeros IP e registro de dominios Internet/BR - Estratgia e-speed Frentes de Atuao: Coordenao Operao Informao

Difuso e capacitao Vasta gama de aplicaes Baixo custo para o usurio final e-speed Componentes da Internet hoje Provedores de Backbone

MCI GlobalOne Sprint Nacionais: RNP, Embratel, IBM, GlobalOne Provedores de Acesso Provedores de Informao Usurios e-speed Internet no Brasil - RNP

http://www.rnp.br/1.3.bone.html e-speed Internet no Brasil - Embratel http://www.embratel.net.br/internet/backbone.html e-speed Internet no Brasil Embratel

http://www.embratel.net.br/internet/backbone.html e-speed Servios Internet Endereamento E-mail Login remoto / Terminal Remoto Finger News FTP Gopher WWW WAIS

e-speed Nomes e Endereos Toda interface conectada a uma rede TCP/IP identificada por um nico endereo IP Um nome pode ser assinalado para qualquer dispositivo que possua um endereo IP Mais fceis de lembrar e de escrever corretamente. Lembre-se: Txukahamae no um bom nome! Mais difcil de lembrar que um IP. Geralmente, podem ser utilizados nomes ou nmeros sem distino. Converso feita automaticamente pelo sistema antes de enviar

e-speed Hierarquia de Domnios No h uma base central de dados com toda informao de hosts na Internet. Informao distribuda entre milhares de servidores de nomes organizados de forma hierrquica similarmente a estrutura de file systems do UNIX DNS tem um domnio raiz (root) no topo da hierarquia de domnios que servida por um grupo de servidoras de nomes chamadas root servers Diretamente abaixo do domnio raiz esto os domnios de topo - top levels

e-speed Domnios Top-Levels H dois tipos bsicos de domnios top-level: Geogrficos Organizacional Geogrficos: Cada pas no mundo possui um domnio top-level .br - Brasil .uk - Inglaterra .jp - Japo

Domnios top-level e-speed Organizacionais Utilizados dentro dos EUA COM - organizaes comerciais

EDU - Instituies educacionais GOV - Agncias governamentais MIL - Organizaes militares NET - Organizaes de suporte a rede ORG - N.D.A Endereamento Hierrquico e-speed turquesa.dcc.ufmg(.edu).br TLD Instituio

Departamento Computador Pas e-speed Alocao de domnios Autoridade conferida ao NIC - Network Information center Solicita-se criar um domnio abaixo de algum top-level e tranferida a autoridade deste domnio para o solicitante No Brasil, a autoridade sobre o domnio top-level .br est com a FAPESP - primeira instituio brasileira na Internet Da mesma forma, deve-se registrar um domnio para

ganhar a autoridade sobre ele Uma vez criado o domnio, voc tem autoridade para criar sub-domnios dentro deste Funcionamento com autoridade e-speed Se um servidor de nomes recebe uma requisio para a qual no possui informao, ele ir passar a requisio para um servidor autoritrio. Um servidor autoritrio o servidor responsvel

pelas informaes corretas sobre o domnio. Quando o servidor com autoridade responde requisio o servidor local grava (cache) as informaes para utilizao futura. e-speed Correio Eletrnico e-mail Servio de troca de mensagens similar ao sistema de correios Um dos primeiros servios na Internet e de maior utilidade Comunicao um-para-um

Servios baseados em e-mail: Listas de discusso Transferncia de arquivos Consultas a bases de dados Compras e-speed Correio Eletrnico

Como funciona? Usurio escreve uma carta em seu computador pessoal, incluindo arquivos, imagens, filmes, etc... Carta armazenada no provedor de acesso para ser enviada posteriormente e-speed Computador do provedor de acesso localiza o computador do

provedor que ir receber a correspondncia e a envia via Internet Correio Eletrnico Como funciona? provedor recebe a correspondncia e armazena em uma caixa de correio e-speed Correio Eletrnico

Como funciona? Todas as correspondncias que so direcionadas para um mesmo endereo so armazenadas em uma nica caixa postal Usurio conecta no provedor e transfere o contedo de sua caixa postal para seu computador pessoal Elementos do sistema de correio eletrnico

e-speed Agentes de Usurios programa/servio que faz a composio, leitura, recebimento, resposta e manipulao de caixas postais Agentes de transferncia Programas/Servios responsveis pelo encaminhamento da mensagem da origem para o seu destino e-speed

Formato de uma mensagem de correio eletrnico Envelope Contm toda a informao necessria para a entrega da correspondncia Endereo do destinatrio Cabealho Informaes sobre postagem que ser utilizado pelo recipiente para ler o corpo da mensagem Corpo da Mensagem Mensagem em si

e-speed Enviando um e-mail Formato de Endereos [email protected] Formato de uma mensagem Cabealho:

To: e-mail do Recipiente Cc: e-mail para cpia carbono Bcc: e-mail para blind cc From: Criador da mensagem Sender: E-mail do remetente Received: Linha adicionada por cada agente de transporte no caminho percorrido pela mensagem Enviando um e-mail

e-speed Formato da mensagem Cabealho (cont.) Date: Reply-to:

Message-Id: In-Reply-To: References: Keywords: Subject: Enviando um e-mail e-speed MIME - Multipurpose Internet Mail Extensions mensagens em lnguas com acentos (ex. Portugus) mensagens em lnguas com alfabeto no latino

(ex. Russo) mensagens em lnguas sem alfabelto (ex. Chins) Permite a incluso de arquivos de vrios tipos de dados (ex. audio, vdeo, planilha) e-speed Enviando um e-mail Tipos MIME: Text Plain, Richtext Image

GIF, JPEG udio BASIC Application Octet-stream Multipart e-speed Como ler um e-mail Programas

Netscape Outlook Eudora Protocolos de acesso a caixas postais POP3 - transferncia de toda a caixa IMAP - transferncia mensagem/mensagem Servios leitura e tratamento de correio eletrnico atravs de pginas

WWW, geralmente gratuitos (ex. HOTMAIL - www.hotmail.com) e-speed Correio Eletrnico Caractersticas Sem confirmao No existem, por enquanto, servios de correio eletrnico similares aos courrier do correio tradicional onde pode-se escolher pagar mais para que a correspondncia seja entregue mais rpido Sem autenticao de remetente Problema contornado por sistemas de

criptografia externos (assinaturas digitais) e-speed Listas de E-mail Cada usurio interessado inscreve-se na lista Para cada e-mail direcionado para a lista enviada uma cpia para cada um dos participantes Tipos de listas: quanto a inscrio fechadas, abertas quanto postagem

abertas, moderadas e-speed Listas de E-mail Aplicaes Discusses sobre assuntos diversos Marketing via Internet Ponto Frio Publicao de Boletins Novidades sobre produtos Autodesk Autocad Users List

Informaes sobre segurana CERT, etc. Anncios em geral Apache users list e-speed Lista de e-mail Exemplos Lista de e-mail de promoes da loja www.shoppingplanet.com

e-speed Lista de e-mail Exemplos Lista de informaes sobre o produto AutoCAD enviada duas vezes por ms e-speed Transferncia de arquivos via e-mail Envia-se um e-mail solicitando um arquivo em um servidor

O servidor localiza o arquivo automaticamente e responde requisio com uma mensagem de e-mail contendo o arquivo solicitado codificado (uuencode, mime, etc) Elimina a necessidade de permanecer on-line enquanto o servidor recebe o e-mail com os arquivos Aplicaes de transferncia de arquivos por e-mail e-speed Atualizao de drivers/software

correo de bugs e-speed Terminal Remoto Login Remoto Permite a utilizao de um computador remotamente como se estivesse no local Possibilita a utilizao de recursos escassos. Ex.: CENAPAD MG/CO pode ser acessado de qualquer parte da internet e se trabalhar em seus supercomputadores como se estivesse localmente. Utilizado tambm em servios que requerem

interatividade Consultas a bancos de dados Compras (ex. cdromsonline.com) Terminal Remoto e-speed Necessrio Conta na mquina remota: Identificao de usurio Senha Geralmente somente para comandos

texto e interface para controle de processamento em lote Muito sensveis a latncia da rede Terminal Remoto Funcionamento por sesso e-speed Usurio inicia a sesso abrindo uma conexo com o computador remoto telnet nome.computador.com.br Fornece identificao e senha

Realiza o seu trabalho no computador remoto Finaliza a sesso no computador remoto e automaticamente fecha-se a conexo e-speed Terminal Remoto - Exemplo e-speed Finger servio de informao sobre usurios nos sistemas UNIX

Atravs de combinaes com shell scripts possvel utilizar este recurso para divulgar informaes pela rede Um projeto como usurio UNIX e informaes de seu andamento so disponibilizadas atravs de finger [email protected] por exemplo. [email protected] para listar as promoes disponveis nas lojas e-speed USENET News Servio criado para racionalizar as listas de discusso por e-mail

Comunicao um-para-muitos Uma nica cpia das mensagens por sistema Servio baseado em comunicao entre sistemas comumente chamado de alimentao (feed) Ofertas e necessidades e-speed USENET News Como funciona 1

USENET News Como funciona e-speed 2 4 3 Usurio escreve um artigo e envia para o servidor de News que ele acessa

1 USENET News Como funciona e-speed 2 4 3 Em um primeiro momento cpias so enviadas para os servidores

adjacentes a este 1 USENET News Como funciona e-speed 2 4

3 Neste momento os usurios 2 e 3 j tm acesso ao artigo escrito por 1 1 USENET News Como funciona e-speed 2

4 3 Apesar do servidor poder receber duas cpias apenas uma ficar armazenada 1 USENET News Como funciona e-speed

2 4 3 O usurio 2 responde ao artigo escrito por 1 e o processo se inicia novamente e-speed Componentes do sistema de News Leitor - News Reader

TIN - Unix TRN - Unix Netscape Collabra - WWW Servidores responsveis pela transferncia, manuteno, expirao de artigos Artigo Texto sobre determinado assunto publicado em um grupo de um servidor de News e-speed

USENET News Artigos so divididos em grupos organizados hierarquicamente. Principais hierarquias: alt comp news rec

sci soc Sub-grupos separados por . comp.infosystems.intranet e-speed USENET News Grupos podem ser globais ou locais. Mais de 7.500 grupos globais de discusso diferentes Abrangem temas que variam

Shows de TV Debates sobre esportes Poltica Cultura Informaes cientficas Suporte e-speed

Transferncia de Arquivos Transferncia de arquivos propriamente dita entre mquinas da rede Processo interativo Caminhamento por rvores Significado do FTP annimo Distribuio de arquivos pblicos para a rede Utilizao Atualizaes de software Correes de Bug Distribuio de software gratuto Artigos cientficos

Utilizao de servidores FTP e-speed Integrao com servios de informao mais sofisticados como Gopher e WWW Clientes em qualquer sistema, desde micros at grande porte Abusos: software pirata, materiais de gosto discutveis e legalidade discutvel tambm. e-speed

FTP Exemplos e-speed FTP Exemplos e-speed FTP Exemplos

FTP Exemplos de utilizao e-speed Drivers ftp.motorola.com (Motorola) ftp.3com.com (3Com) ftp.creaf.com (Creative Labs) Anti-virus ftp.mcafee.com Correes de Bugs

ftp.microsoft.com e-speed Gopher Servio de informao atravs de menus Informao hierrquica Permite a integrao com transferncia de arquivos Permite a utilizao de mecanismos de busca Vem sendo substitudo sistematicamente por informaes via WWW

e-speed Servidor de Gopher Exemplo e-speed World Wide Web Servio de informao via pginas

Hipertexto Imagens Sons Animaes Maior flexibilidade na definio de documentos Integrao com todos os outros servios Interface comum entre as plataformas Facilidade de se oferecer servios na Internet e-speed WWW - Introduo

Utilidade da Web Conceitos bsicos da Web Hipertexto Linguagem de Tags HTML Conceito de URL O que um Web Browser? O que um Web Server?

Servidores e Browsers Direes Futuras e-speed Utilizao da Web W W W a ferramenta mais grfica da Internet e com maiores possibilidades de integrao Servio com maior crescimento na Internet Palavras ou imagens destacadas em um documento so portas de acesso a novos documentos, imagens, sons, etc. Com um browser (programa para visualizao)

pode-se acessar os links atravs de apontar e clicar do mouse e-speed Utilizao da Web Museus virtuais Jornais, revistas - distribuio da informao Negcios com catlogos eletrnicos com fotos, preos e pedidos via rede Universidades Virtuais Informao de instituies governamentais Turismo virtual Religio

Conceitos bsicos da Web e-speed Hipertextos Linguagem de tags HTML

Conceito de URL O que um World Wide Web Browser? O que um World Wide Web Server? HTTP e-speed O que um hipertexto? Capacidade de se referenciar dentro do prprio documento um documento correlato e oferecer uma porta de acesso a esse outro documento Poder da WEB vem da capacidade de se referenciar documentos de vrios tipos

utilizando uma enorme variedade de servios, tanto em documentos do mesmo servidor como documentos em servidores distintos O que um hipertexto? e-speed A B Texto Textocom

comreferncia refernciaaa Texto TextoB, B,basta bastaclicar clicar aqui aquipara paramudar mudarpara para Texto TextoCC

Texto Textocom comreferncia refernciaaa Texto TextoC, C,basta bastaclicar clicar aqui aquipara paramudar mudarpara

para Texto TextoDD C Texto Textocom comreferncia refernciaaa Texto TextoA, A,basta bastaclicar

clicar aqui aquipara paramudar mudarpara para Texto TextoCC Texto Textocom comreferncia refernciaaa Texto

TextoB, B,basta bastaclicar clicar aqui aquipara paramudar mudarpara para Texto TextoDD D

e-speed Linguagem de tags HTML Dentro da WEB os documentos so todos na forma de textos marcados com tags que so comandos de formatao do texto, nos quais podem ser adicionado imagens, sons, etc. A estrutura bsica do Tag um comando de incio de formatao seguido do texto a ser formatado desta forma seguido de um Tag de fim de formatao. Simples criao, podendo ser criado tanto em editores de textos simples como vi ou edit (MSDOS) como em programas mais sofisticados como Corel Web Creator, Microsoft Publisher sem que haja distino entre um e

outro Exemplo de pgina HTML e-speed

Ttulo da pgina
Aqui vem o texto da pgina.

e-speed Conceito de URL Cada link no hipertexto composto de dois componentes: ncora, pode ser texto ou imagem URL, Universal Resource Locator - Endereo onde encontrar o recurso Descreve o protocolo que deve ser utilizado para o acesso ao documento, o servidor que oferece o documento, a localizao do documento dentro do servidor e o nome do

documento. http://www.info.cern.ch/hypertext/DataSources/WWW/Geographical.html http://www.info.cern.ch/hypertext/DataSources/WWW/Geographical.html e-speed O que um web browser? Funes adquirir o documento via rede a partir de uma URL interpretar o documento HTML e apresentar o documento para o usurio com informaes de formatao Deve entender vrios protocolos: gopher, http, ftp,

news e-speed Web browsers Netscape Comandos de Navegao Link para outro documento e-speed Web Browsers

Internet Explorer Comandos de Navegao O que um web server? e-speed Servidor que conversa sob protocolo HTTP Como mostrado na figura anterior, pode executar programas para atuarem como gateways para outros servidores (maioria dos gateways j esto disponveis na Internet) Facilidade de se desenvolver gateways para sistemas que no so diretamente acessveis

por TCP/IP Tratamento de formulrios Protocolo HTTP e-speed HyperText Transfer Protocol Protocolo simples Cada requisio de documento de um Web Browser para um Web Server uma nova conexo Cada requisio de um documento HTML gera uma abertura de conexo, transferncia

do documento e o fechamento da conexo e-speed Protocolo HTTP Verso HTTP/1.0 suporta a negociao de tipo de dados entre o Servidor Web e o Web browser, pela adio de cabealho MIME (Multimedia Internet Mail Extentions) para o protocolo. HTML utiliza o tipo MIME de text e o subtipo MIME de html descrito como text/html H vrios outros tipos MIME como

image/gif text/plain image/tiff image/jpeg e-speed Servidores e Browsers Servidores

NCSA HTTP server (www.ncsa.gov) Apache HTTP Server (www.apache.org) Netscape (www.netscape.com) Microsoft (www.microsoft.com) Browsers Mosaic Netscape Navigator Internet Explorer e-speed

Servidor HTTP Apache Direes Futuras e-speed Trs direes principais Melhorias em HTML Transaes seguras Nomenclatura uniforme Objetivo: Melhorar Comercializao na

Internet e-speed Melhorias em HTML HTML 4.0 tabelas formulrios

folhas de estilo tags que faltavam na verso 2.0 suporte a equaes matemticas somente na verso 3.1 Validao Verificar se o cdigo est correto sem testar em vrios browsers Transaes seguras e-speed Prover nveis mais elevados de

segurana nas transaes Atualmente adequado para fornecer catlogos, no muito seguro para transferncias de nmeros de carto de crdito, senhas, e outros Servios baseados em criptografia de chave pblica Nomenclatura Uniforme e-speed URL oferece limitaes Identifica apenas instncia de um

documento e no o documento em si. URN - Universal Resource Name nico assim como ISBN Comercializao e-speed Sistemas j esto vindo com Web ready - servidores e browsers Microsoft Office e toda a linha 97 todo voltado para a edio para Inter/Intranets

WAIS - Wide Area Informartion Servers e-speed Primeiro sistema de procura de documentos na rede. Era utilizado de maneira complementar ao WWW e ao Gopher Atualmente caiu em desuso pela criao dos mecanismos de procura e indexao na Internet atual. e-speed

Novos Servios Novos servios baseados nos servios existentes: Data mining Busca restrita a um determinado assunto. Por exemplo: consulta de preos de livros nas livrarias virtuais Stream de vdeo Transmisso de vdeo atravs da rede. Pode ser ao vivo ou gravado Stream de udio Transmisso de udio atravs da rede. Difuso pessoal (pushing)

Transmisso de determinados assuntos escolhidos pela pessoa diretamente para o seu terminal e-speed Data mining e-speed Stream de Vdeo e-speed Stream de udio

e-speed Difuso pessoal Pushing Netscape Netcaster Informaes sobre assuntos escolhidos pelo usurio so direcionadas para seu computador frequentemente. e-speed

Aplicaes Internet Inmeras aplicaes: Informaes Comrcio Servios de utilidade pblica, educao Operaes Financeiras Entretenimento Bancos de Dados Informaes governamentais Notcias Intranet Comunicao Empresarial

e-speed Servios: basicamente os mesmos da Internet, somente operados localmente no ambiente da empresa/instituio Aplicaes Como construir sua Intranet? e-speed O que Intranet? Rede Rede privada privada de

de comunicaes comunicaes baseada baseada no no TCP/IP TCP/IP ee tecnologia tecnologia Web Web Utilizao de servios Internet em uma empresa e-speed

Funcionar como ferramenta Midleware Melhorar comunicao entre funcionrios Reduzir quantidade de papis Informao disponvel on-line facilita criao de servios externos para a Internet Site Internet de uma empresa e-speed Alm de publicidade deve atingir:

Melhor comunicao com clientes e fornecedores Oferecer servios de soluo de dvidas de clientes Informao objetiva sobre a empresa e-speed Requisitos de Sistema e de Rede Conexo de rede dedicada 24 horas de operao por dia 7 dias na semana Banda de passagem suficiente para que no ocorra atrasos na interatividade (deve ser

medida) Dependendo dos servios oferecidos, processamento adequado da(s) servidora(s) Espao em Disco Deve ser bem avaliado e-speed Por que construir uma Intranet? Caractersticas:

Facilidade de uso Independncia de plataforma Rapidez de implementao Alcance global Resultados esperados: Incrementar produtividade Reduo de custos, melhorar as comunicaes Ganho de vantagens competitivas Quem est implantando

Intranets? e-speed De acordo com pesquisas da Alexander & Associates: Hoje 46% usam intranets Em trs anos 70% usaro intranets Extranets

e-speed Companhias esto extendendo suas intranets para incluir conexes de rede para seus fornecedores e parceiros. A esta extenso dado o nome de Extranet. Fatores de sucesso para a Intranet e-speed Excelente desempenho

Gerenciamento Segurana Desempenho e-speed Enorme crescimento do trfego nas Intranets Aplicaes demandam mais volume de trfego e menores tempos de resposta Provavelmente deve-se expandir a capacidade de transmisso das redes locais Utilizao de switches (banda reservada por usurio)

Aplicaes para Intranets e-speed Informaes corporativas Reservas de Viagens Construo de Help-desks Registros de problemas para consultas futuras Video Conferncia Aprendizado distncia Redes pessoais de difuso PointCast

Voice-Mail e-speed Servios Funciona basicamente como um secretria eletrnica Pode ser mais sofisticado para entender os toques no teclado de um telefone por tom Aplicaes Sistemas de auto-atendimento Saldo bancrio

Solicitao de servios Solicitao de informaes e-speed Voice Mail Vantagens: Tudo que voc precisa para utilizar um telefone que disque por tom Pode-se acessar praticamente de qualquer local Facilidade de aprendizado Atendimento automatizado Aumento do volume de atendimento

Desvantagens Deve-se ter procedimentos bem definidos para que funcione Muitas opes podem torn-lo cansativo de utilizar

Recently Viewed Presentations

  • Investigating electricity - STEM

    Investigating electricity - STEM

    ACCESS FM. A = Aesthetics - How does the product appeal to the five senses? C = Cost - How much does the product cost to make or to buy? C = Customer - Who will buy or use the...
  • SCHOOL BOND How to make your Districts Facilities

    SCHOOL BOND How to make your Districts Facilities

    Deposit riverbed and timber revenues in Guarantee Account (about $5 million) Guarantee Account pays $1 million technology payment to schools. Creates School Debt Service Assistance Account. Funded with lottery net revenue (about $12 million) Pays Debt Service GTB (about $10...
  • Tips and Tools for Responding to Government Solicitations

    Tips and Tools for Responding to Government Solicitations

    The objective is to develop an FDM approach to 3D printing that will work with existing printers but produce higher quality results. They are not looking for metal, but rather a better plastic or a better plastic process. Better =...
  • Rapid Response IS Business Engagement

    Rapid Response IS Business Engagement

    Rapid Response & Business Engagement National Summit. Business Engagement "Successful Rapid Response programs are flexible, agile, and focused on promptly delivering comprehensive solutions to business and workers in transition"
  • The 5S numbers game. - Lean manufacturing

    The 5S numbers game. - Lean manufacturing

    Having achieved some improvement, we now need to move onto the next step "Set In Order". We have installed some racking, and we have organized the items so that with Number 1 in the bottom left hand corner, the numbers...
  • System Studies Activities (FY 1999 &amp; Beyond)

    System Studies Activities (FY 1999 & Beyond)

    Principals: Boeing, Center for Energy and Environment at Princeton University, Duke E&ES, TVA, and ORNL). To be completed by 12/99, no funding in FY00. ... Times Helvetica Arial Palatino Professional.pot Microsoft Graph 97 Chart Microsoft Word Document Microsoft Excel Worksheet...
  • The current referrals to the UECJ

    The current referrals to the UECJ

    The question sent to the CJUE concerns the definition . of the notion of "different application" resulting from the NEURIM decision ( case C-130/11) And the Court of Paris suggests various interpretation of this notion: New human application following a...
  • Fruits and Seeds - Western Oregon University

    Fruits and Seeds - Western Oregon University

    Long period of cold High heat of a forest fire Drying out Disruption of the seed coat. ... Fruits and Seeds Get a paper ready for thinking questions to turn in Fruits From ovary to fruit The ovary of the...